10 DICAS IMPORTANTES PARA REALIZAR OS PROJETOS

Segue aqui 10 dicas importantes que você precisa saber sobre projetos:

DICAS PROJETOS

  1. SE SEU PROJETO NÃO ESTÁ ESCRITO, NÃO TEM OS ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS DESENHADOS, VOCÊ NÃO TEM UM PROJETO, TEM SÓ UMA IDEIA. – Algumas pessoas têm idéias, fazem um pequeno resumo no papel, apontam as justificativas etc., mas não escrevem nada de prático. Isso não é um projeto, é uma ideia, não confunda. As perguntas que orientam para esta construção detalhada são: O que é, quanto é, para quando é, com quem é, como é e por aí vai.
  1. ESCREVA UM PROJETO PELO PROJETO E NÃO PARA UMA LEI OU EDITAL – Um projeto tem que atender a uma demanda visualizada no planejamento estratégico da pessoa, empresa ou instituição. A ação de desenhar e escrever um projeto, que custará seu tempo, deve ser alinhado com a visão geral do caminho a percorrer. Leis e editais são para viabilizar financeiramente os projetos que você sonha, que você precisa.
  1. PROJETO TEM COMEÇO, MEIO E FIM, ao contrário de uma empresa ou uma carreira que trabalhamos para que não tenha fim. Um projeto sempre tem um objetivo que, ao ser cumprido, finaliza as ações. Portanto, pensar nesse desenho é também pensar em uma boa finalização. Tem gente que faz projeto que nunca termina. Fica enrolado com prestação de contas, com finalização de fotos e vídeos etc. Isso é erro de planejamento.
  1. PROJETO TEM QUE CONTER A VERDADE, NADA MAIS DO QUE A VERDADE– Isso é muito importante para se aprender com relação aos projetos. Alguns acham que é difícil escrever, pois focam em argumentos e condicionamentos que tornam o “escrever um projeto” algo intocável. Para escrever coloque a verdade exata de como você vai fazer, o que vai precisar para construir e executar sua ação.
  1. PROJETO É UMA RECEITA DE BOLO – ao escrever um projeto escreva de forma que quem pegar o documento possa executá-lo. Ele é uma receita tem que ter todos os ingredientes e o “modo de fazer”. Para testar, dê pra alguém que não é da área ler. Se entender, maravilha, está pronto.
  1. PROJETO NÃO É TESE DE TCC – Um projeto não é uma tese para doutorado ou mestrado. Não deve ter linguagem rebuscada e deve ser de fácil compreensão. Deve ser claro, direto e prático. Somente na justificativa que é permitido dissertar sobre a importância, o contexto. Mas mesmo assim não deve ser extenso.  
  1. PLANEJE, PLANEJE, PLANEJE E DEPOIS ESCREVA – A parte mais importante na construção de um projeto é o planejamento. É nessa hora que há pesquisa de mercado, avaliação do contexto, discussão e mapeamento de riscos etc. Enquanto essa visão geral não for avaliada e processada não se deve finalizar o documento. Quanto maior a pesquisa, maior o acerto.
  1. LEIS DE INCENTIVO OU EDITAIS SÃO FÁCEIS DE ESCREVER E CADASTRAR –Nenhuma lei de incentivo ou edital é difícil de participar. Com o projeto pronto e escrito faça o que pede a lei ou edital. O que não pode é ter preguiça de ler, de buscar conhecimento. Mas, se está inseguro ou não tem tempo, sempre tem um bom produtor no mercado que pode escrever e cadastrar o projeto “com” você.
  1. CAPTAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS COMEÇA NO PLANEJAMENTO – Essa é uma parte também muito importante de saber. Na fase do planejamento é também a hora de pensar de onde virá o dinheiro e quais as possibilidade. E como esse dinheiro será gasto e como isso será comprovado. Estes dois itens bem planejados evitam muitas dores de cabeça.
  1. PROJETO É UM MEIO, NÃO É O FIM – Outra confusão que se faz e achar que ter projetos é fundamental para a sobrevivência do grupo, da entidade, do artista etc. Fundamental é saber “o que você quer ser quando crescer, além de salsicha” (risos). Fundamental é saber aonde quer chegar e criar um planejamento estratégico. Nesse planejamento poderá conter um ou mais projetos e estes devem ter relação com o que se pretende conquistar. E não o contrário.

E é isso. Espero que tenha sido útil. Gostou? Curta e comente. Mas principalmente, compartilhe “Conhecimento tem que circular”.

DICIONÁRIO PARA EMPREENDEDORES CRIATIVOS

Dicionario para empreendedoresBem, agora que você sabe que precisa pensar também em administração, gestão, marketing e finanças dentro do seu projeto, sua empresa, sua Ong e até o seu coletivo, vale saber quais são as palavras usadas hoje e o que cada uma delas quer dizer. Na Inteligência usada em Projetos e Eventos, conhecimento nunca será demais. Confira abaixo:

ACELERADORA ou INCUBADORA–  Empresa que funciona como um centro de estudos e consultoria para empreendimentos embrionários. São locais onde há, ou não, capital financeiro mas existe toda orientação e apoio de profissionais, universidades e outros para o desenvolvimento de novas empresas, startups e novos negócios. Aceleradora – é o nome atualmente usado para as incubadoras principalmente na área tecnológica.

BREAK-EVEN OU PONTO DE EQUILIBRIO DE UM PRODUTO OU SERVIÇO – é a quantidade mínima de produtos\serviço a ser vendido para cobrir os gastos mensais de uma empresa. Quanto tenho que vender para não ter prejuízo.

CANVAS MODEL – matriz de modelo de negócios criada por Alex Osterwalder e Yves Pigneur em 2010 para realizar o Business Model Generation (BMG) um método para avaliação ou criação de novos negócios.  Veja aqui a matéria sobre o tema.

CO-WORKING ou COWORKING – modelo de trabalho que baseia no compartilhamento de espaço. Exemplo um espaço que disponibiliza mesas, acesso a WiFi e linhas telefônicas para escritórios, pontos de trabalho, reuniões etc. Você pode pagar por hora, por dia, por mês ou rachar as despesas.  40% do mercado está em São Paulo. Os espaços são divididos por pessoas, geralmente, de uma mesma área de atuação.

CROWDFUNDING – Fundo monetário vindo de uma multidão. É uma forma de obter capital através de campanhas, online ou não, junto a pessoas e empresas interessadas no projeto apresentado. Atualmente existe muitas plataformas online que oferecem facilidades para a campanha. O Kicante é um dos principais.

CROWDSOURCING – trabalho de forma colaborativo onde as pessoas ou empresas ajudam em uma determinada ação para gerar conteúdo, solução de problemas, fluxo de informações etc para um único resultado. Pode haver ou não remuneração financeira. É executar um trabalho com a ajuda de terceiros.

COMPORTAMENTO – Atitude, forma de agir e de se comportar. Importante para realizar efetivamente seus projetos.

CUSTO DE MATERIAL – custo do material usado no produto. (Ingredientes de uma torta por exemplo ou os materiais como folder e cartazes na divulgação de um evento)

CUSTO FIXO – é a soma de todas as despesas mensais de um empreendimento que esteja funcionando mesmo que ela não tenha nenhuma venda. Mesmo que o custo tenha variação.

CUSTO VARIÁVEL – custo de materiais, insumos ou serviços que eventualmente sejam necessários. Por exemplo: a energia elétrica mensal de um espaço pode ser variável, mas está dentro dos custos fixos. Já a compra de uma lâmpada, que eventualmente queimou, está nos custos variáveis.

DESPESA – é tudo que se gasta em um determinando tempo. Mês, dia, semana, projeto.

DESIGN THINKING – é o pensamento do design onde a empatia é o principal ingrediente. São ideias pensadas em conjunto e de forma livre. O foco é realizar ações que tenham um real entendimento das necessidades das pessoas para o qual o projeto está sendo desenvolvido. O principal recurso para o desenvolvimento, que normalmente é feito em equipe, são os post-its.

EARLY STAGE – nome que se dá a empresas que estão em estágio inicial em suas atividades. Normalmente até 3 anos de existência.

ELEVATOR PITCH OU PICHT– supostamente surgido em Los Angeles para apresentar em até 30 segundos um roteiro para algum produtor em Hollywood. É usado no mundo empreendedor para “vender” a ideia do seu negócio abordando os principais pontos. A média aceita hoje para se ter um Pitch é de até 3 minutos.

EMPREENDEDOR – pessoa que deseja realizar, executar, deixar sua marca e fazer a diferença.

EMPREENDEDOR SOCIAL – o empreendedor que atua com negócios com fins lucrativos, mas com proposta social. Ocupam o chamado setor 2.5

EMPATIA – guarde essa palavra e desenvolva esse dom. É a forma de se colocar no lugar da outra pessoa para conseguir entender seus sentimentos, suas respostas, seus argumentos, sua visão de mundo.

ESCALABILIDADE – possibilidade de replicar um produto com facilidade e com a mesma qualidade. Na área da produção artesanal tem se falado muito sobre este tema: como entregar um produto artesanal com a mesma qualidade em cada produção.

FERRAMENTAS DE MARKETING – meios que a empresa usa para aproximar seus consumidores dos produtos ou serviços que ela oferece. A propaganda é uma ferramenta de marketing.

INVESTIMENTO – é todo dinheiro investido em um negócio, empreendimento, projeto (equipamentos, melhorias, serviços etc)

INVESTIDOR ANJO – são profissionais que atuam nos novos mercados tecnológicos. Eles destinam, normalmente, pequenas somas a novos projetos tecnológicos no risco de conseguir, ou não, fazer parte de uma grande inovação e com altos rendimentos.

LEAN STARTUP – Empresas, na área de tecnologia principalmente, que lançam protótipos de teste para determinados grupo de clientes e assim avaliar suas possibilidades. Chamam o protótipo de Produto mínimo viável (MVP).

MARKETING- Market em inglês é mercado. Marketing é o mercado em movimento. A forma de programar ações para agir perante o público, chamando atenção e movimentando as vendas.

MEI –  Micro Empreendedor Individual – um formato de empresa individual que pode ser aberta inclusiva online pelo empreendedor. O custo mensal é de apenas o valor do INSS individual. Porém, o faturamento mensal está restrito a pouco mais de 5 mil por mês na emissão de notas fiscais.

NETWORKING OU REDE DE CONTATOS E RELACIONAMENTOS- estabelecimento de contatos e relacionamentos. Muito mais do que uma “mala direta” estes contatos devem ser acionados com frequência definida, para ampliar as possibilidades de negócios.

PREÇO DE VENDA – quanto custa seu produto ou serviço no mercado.

PRÓ-LABORE – remuneração mensal que os donos retiram da empresa pelo serviço prestado à própria empresa.

PME – pequenas e médias empresas.

PIVOTAR –  dar novo rumo, nem sempre fugindo do objetivo final, em um negócio.

PERSONA – cliente típico\ publico alvo de um blog, negócio digital, site etc.

REMUNERAR – pagar salários, cachês, honorários.

PERSUASÃO – capacidade de convencimento do outro.

ROI – retorno sobre o investimento.  Porcentagem de ganho em relação ao dinheiro investido.

STAKEHOLDERS – todas as pessoas, de vários seguimentos, envolvidas com o seu negócio. Fornecedores, funcionários, clientes, prestadores de serviço, imprensa e outros. Todos os que serão de alguma forma impactados pelo projeto.

SPEED CAPITAL – “capital semente”, aquele usado para dar início a um negócio.

STORYTELLING – contar a sua história de superação, de empreendedorismo. E uma forma de comunicar com o público através de histórias pessoais, histórias relacionadas aos produto ou serviço, superação e cases de sucesso etc.

VALIDAÇÃO – validar uma ideia, uma empresa, um projeto, é colocar à prova do mercado e avaliar seus resultados de fato. A validação é feita geralmente em um grupo restrito ou escolhido para controlar os resultados de forma mais efetiva.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

(Fontes de pesquisa: Livro Aprender e Empreender – SEBRAE \Fundação Roberto Marinho – HSM Management- Sites pela internet – Wikpédia)

PINTEREST, FERRAMENTA DE TRABALHO E IDEIAS

Se você trabalha com projetos, eventos, economia criativa, cultura, turismo, terceiro setor e outras áreas de criação e não está no Pinterest eu tenho informações que podem te fazer mudar de ideia. Pensando nisso que criei esta matéria.

O PINTREST ainda está sendo descoberto por muitas pessoas. Achar um look para o dia a dia, achar uma ideia para reformar a casa, fazer algo criativo e até poses para fotos podem ser encontrados.

Não é uma rede social só pra postar fotos. É uma rede social com imagens que encantam pessoas e que podem integrar e aproximar quem tem focos parecidos. Atualmente é muito usada por fotógrafos, designers, artistas, blogueiros.

A rede é de mão dupla, você publica conteúdo , mas tem acesso a um grande número de conteúdos de todos os tipos e em todas as línguas. No Brasil ainda é pouco usado mas pelo mundo afora já tem pessoas viciadas nesta ferramenta.

O número de profissionais que tem usado a rede para negócios e assim ampliar as possibilidades de novos públicos está crescendo. Mas diferente de outras redes sociais o Pinterest não aceita hashtags. Melhor é criar um texto para conseguir maior visibilidade e indexação no Google. Continuar lendo

ABREUGRAFIA – O que é que isso te importa?

Dia 04 de janeiro é comemorado o dia da Abreugrafia. Mas o que é isso e o que isso tem a ver com a nossa área?

Bem, eu estava pesquisando datas comemorativas, feriados, dia de santo e outras informações sobre o novo ano e vi esta data comemorativa e fiquei curiosa para saber o que é. Veja no vídeo o que é exatamente a ABREUGRAFIA:

ABREUGRAFIA

ABREUGRAFIA

 

Continuar lendo

COOPERATIVISMO NA ÁREA CULTURAL

cooperativismoCooperativismo na área cultural é um assunto com o qual já trabalhei e gosto bastante. Redescobri esse texto do Giorgio Rocha e acho que vale uma nova publicação e lida para quem quer saber mais sobre este assunto.

Cooperativismo cultural alavanca o crescimento da economia criativa no Brasil – Por Giorgio Rocha Continuar lendo

ECOOA – CURSOS ONLINE JÁ É REALIDADE

ECOOAECOOA Cursos, tudo online e agora já uma realidade para quem trabalha com cultura, terceiro setor, turismo, marketing, educação, artes e outras áreas afins.

A ideia da Escola Cooperativa das Artes surgiu há muito tempo, em 2010. Antes da ideia se transformar em uma escola online ela era um projeto que idealizei dentro de cooperativa para ocupar um espaço físico que na época estava ocioso. A proposta era juntar a expertise de variados profissionais que iriam ministrar cursos no espaço. Além da ocupação, gerar conhecimento diverso em varias atividades das artes humanas. Minha ideia funcionou por pouco tempo mas como toda ideia ela sofreu suas dificuldades e foi posta de lado por algum tempo. Continuar lendo

REDE COLABORATIVA

"REDE COLABORATIVA" E hoje, vamos falar sobre a cultura da colaboração, do compartilhamento. Estamos construindo a REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO CULTURAL e a cultura da colaboração precisa ser conhecida. Este “setor” ou “seguimento” da economia já tem uma taxa de crescimento anual em torno de 25%, segundo a MIT Sloan*. Eles dizem que podem chegar a movimentar US$ 110 bilhões anuais nos próximos anos. A revista TIME  disse que o os mercados colaborativos são “uma das 10 idéias que vão mudar o mundo.”

Com uma cultura, posicionamento e ações colaborativas, você pode doar, emprestar, partilhar, colaborar, trocar, alugar etc. Tudo sem a necessidade de acumular. Encurtando caminhos, economizando, tornando a vida mais sustentável, viabilizando boas idéias. Continuar lendo

05 DICAS PARA TIRAR DA GAVETA SEUS PROJETOS


GAVETANietzsche famosamente declarou: “E se você olhar por muito tempo em um abismo, o abismo olha também para dentro de você.”. Em projetos sempre pense sobre isso.

Pare de olhar o abismo e comece a construir o futuro que você deseja. Quantas vezes você viu algum projeto ou empreendimento despontar e começar a ser sucesso e falou “poxa, eu já tinha pensado nisso!”?

Isso acontece com muita gente, principalmente os que criam em suas mentes idéias de projetos, soluções para diversos problemas ou necessidades, coisas criativas. Mas ficar no universo das idéias não passará sempre de um sonho. É necessário colocar em prática estes sonhos para não correr o risco de “perder” sua idéia. Não importa se você no meio do caminho terá que refazer prazos ou não, se terá os recursos ou não, mas o planejamento, o projeto, te deixará mais próximo do objetivo.

Jung com seus arquétipos e teorias dizia que o inconsciente coletivo é algo comum entre todos. Na época do Iluminismo em várias partes do planeta, mesmo sem se conectar, artistas tinham idéias muito parecidas, próximas, parecendo ser tiradas da mesma fonte. Esse inconsciente é como se fosse um banco de dados do universo e é dele que vêm nossas idéias. Nossas idéias são fruto da assimilação das necessidades, possibilidades, oportunidades e outros, com as ferramentas que possuímos. Também há traços da cultura, dos problemas e do ciclo de desenvolvimento. Enfim, é como se cada um colocasse no liquidificador seu conteúdo e o conteúdo externo, batesse e fizesse uma vitamina, essa é a idéia. Mas assim como você, outras pessoas podem ter quase os mesmos ingredientes, e é aí que projetos parecidos nascem. Portanto, se tem uma idéia, seja o primeiro a fazer o projeto. Não passe o resto da vida dizendo que você já tinha pensado nisso. Faça já.

E como sempre digo, projeto é uma receita de bolo com o passo a passo para executar a idéia. Então, escreva, coloque no papel o passo a passo do que pretende. Assim é mais fácil para apresentar a futuros parceiros, apoiadores ou patrocinadores, o seu projeto.

Mas para escrever um projeto, que é relativamente simples você precisa pensar em todos os itens que compõe um projeto. Desde os recursos humanos até os jurídicos e por aí vai. Há uma técnica, eu ministro cursos sobre isso, presto consultoria sobre isso. Porém, o mais importante é que projeto tem que ser a sua verdade, a verdade dos fatos da execução, real, claro, didático e principalmente um manual de como executar a SUA idéia. Mesmo que o maior especialista te ajude, só você pode fazer da forma que pensou. Então é você que tem que pensar, pensar, esboçar, esboçar e finalmente, ainda que com auxilio técnico de cursos ou pessoas, criar no papel SEU projeto. Esse será o diferencial junto a projetos parecidos.

Se você já está ansioso para transformar sua idéia em projeto comece então a escrever o esboço do que ele é, ou do que eles são. Muitas vezes temos mais de uma idéia. E como dizia Thomas Edson “Se quer ter uma boa idéia, tenha uma porção delas.”

Mas porque escrever antes no papel uma idéia que posso já desenvolver sem ter esse trabalho? Porque quando escrevemos, seja a lista do supermercado ou um projeto, lembramos de outros itens e observamos necessidades além do núcleo central da idéia. O exemplo fica fácil em uma lista de supermercado, por exemplo: a lista é grande então podemos identificar que tantos itens terão que ser trazidos por um carregador, ou terá que levar um carrinho, ou precisará de ajuda, ou para o complemento tal falta o X ingrediente, e principalmente, não comprar tudo o que vemos pela frente. Escrever define principalmente o foco, o escopo, e faz com que você tenha um caminho definido. Lembro de um ditado que gosto e uso muito do Sêneca “Se você não sabe pra onde está indo qualquer caminho serve”.

Segue então as 05 dicas baseadas em tudo o que falamos agora:

  • PRIMEIRA – Faça já. Não fique enrolando para pegar uma caneta e um papel e colocar tudo o que você quer fazer. Pode separar por área como profissional, familiar, pessoal, educacional.
  • SEGUNDA – De cada lista separe só o que você acha que é viável e poderá realizar no próximo ano. O que sobrar deixe numa lista “Para os próximos três anos”.
  • TERCEIRA – Para cada idéia, projeto, intenção, faça uma lista, um esboço de tudo o que vai precisar. Faça as famosas perguntas: O que é, como é, quando é, com quem é, porque é, quanto é, quanto tenho, quanto e quando vou precisar etc. Depois escreva o resultado disso e se for o caso, cadastre ou planeje o cadastramento em leis de incentivo, editais etc.
  • QUARTA – A partir de AGORA ponha o pé na estrada, ou melhor, os projetos em ação. Vá atrás de quem vai te ajudar nisso com dinheiro, com trabalho ou com parcerias. Comece a executar cadastrar, captar, construir, poupar etc.
  • QUINTA – Monitoramento e controle – Isso é fundamental. Seja quais forem seus projetos, você terá sempre que monitorar, ou seja, observar para ver se está no caminho proposto ou não, se tem problemas, se o cálculo está errado, se aconteceram imprevistos na execução. E controle que é a ação de readequar o projeto definido para a nova realidade observada no monitoramento. Essa parte é fundamental, pois um projeto não é algo amarrado e imutável, é eventual e sofre as conseqüências do meio. Porém, se não há um realinhamento o projeto pode ser um fracasso ou virar outra coisa do que o planejado.

Eu estou a disposição pra gente conversar e trocar Ideias.  Gostou? Curta, Comente, envie SEUS COMENTÁRIOS e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

PROJETOS, COMO APROVEITAR UM FALSO NEGATIVO

projetos falso negativosSabia que o Viagra foi um falso negativo? Pois bem, no final dos anos 80 a Pfizer trabalhou nos testes de um medicamento para tratar de angina. Tudo ia bem até que nos testes com humanos a droga não deu resultado. A maioria desiste de projetos assim que nos resultados ocorra fracasso. Mas, ao olhar diferente, ao estudar os efeitos colaterais, um novo medicamento, com um sucesso de público e bilheteria estreou, nasceu “o Viagra”.

Brincadeiras à parte, muitas vezes nos empenhamos e dedicamos a um projeto onde em algum momento, seja na elaboração, na avaliação de riscos, na execução ou na avaliação dos resultados, aparentemente, tudo dá errado. Temos então um resultado negativo.

Entretanto, em muitas vezes, se olharmos mais de perto,  ou de longe, ou os dois, poderemos enxergar oportunidades até então desconhecidas ou intencionadas.

Já em 2003 Henry Chesbrough, professor de gestão de tecnologia e inovação nos EUA, falava:

“A história da inovação está cheia de exemplos em que o melhor uso de um novo produto ou uma nova tecnologia é totalmente diferente do proposito inicial do projeto.”

Um projeto pode não servir ao seu objetivo, mas pode ser como uma luva para outro. Se você criou, pode disponibilizar o resultado no mercado, para parcerias ou licenciamento de ideias. Essas ideias ou resultados podem não te servir, mas podem ser um prato cheio para outro.

Quantos músicos criam músicas que nunca cantarão? Mas a criação bateu na porta e ela nasceu. Então há a possibilidade de disponibilizarem para outros artistas. Quantas ideias de festivais e atividades surgem durante a pesquisa para um simples show? Quantos resultados inesperados acontecem quando lançamos um evento que nem imaginávamos o resultado? Woodstock, o festival, foi um deles. Quantos eventos, sem intenção, são vistos por investidores como grandes ideias e “pivotam” totalmente seu rumo?

Por isso, é importante, antes de achar que seu projeto foi um fracasso ou tem que ser descartado, fazer uma avaliação. Avaliar e pesquisar junto aos “stakeholders” outras visões sobre o mesmo tema. O pensamento coletivo e a visão compartilhada podem dar soluções até então desconhecidas. Muitas vezes também, um projeto que não atendeu ao primeiro objetivo pode ser adequado a outro.

Por mais que haja pesquisa, estudo e práticas de controle na elaboração e gestão de projetos, o imprevisível e a resposta do meio pode atrapalhar o processo. Mas nem sempre o resultado é negativo. Pense nisso.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

 

EDITAL DE OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS CULTURAIS EM OSASCO – SP

Confira abaixo o edital de ocupação de espaços culturais da Seretaria de Cultura de Osasco – SP:

Portaria Interna n.º 06/2016 Edital de Ocupação de Espaços da Secretaria da Cultura

A PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO por meio da SECRETARIA DA CULTURA faz publicar neste edital, para conhecimento dos interessados, que estarão abertas, no período de 28 de março a 29 de abril de 2016, as inscrições do processo seletivo para ocupação dos espaços culturais administrados pela Secretaria da Cultura, conforme as normas estabelecidas abaixo. O presente Edital de Ocupação dos espaços culturais administrados pela Secretaria da Cultura de Osasco tem como objetivo incentivar a circulação e apresentação de espetáculos e estabelecer a forma e os critérios para ocupação dos espaços públicos, a fim de gerar um processo de isonomia de oportunidades que atenda aos objetivos da política cultural da Secretaria da Cultura, no que se refere à programação cultural da cidade, contemplando os períodos disponíveis na temporada compreendida entre 08 de junho à 18 de dezembro de 2016.

O presente Edital visa identificar propostas de projetos artístico-culturais que se coadunem com os objetivos da Secretaria da Cultura do Município de Osasco, voltados à democratização do acesso à cultura via criação de plateias.

1 – DO OBJETO

1.1 – Constitui objeto do presente Edital a seleção de atividades artístico-culturais, temporárias, em 03 (três) espaços culturais administrados pela Secretaria da Cultura, a saber: Espaço Cultural Grande Otelo – com programação de quarta à domingo Teatro Municipal Glória Giglio de Osasco – com programação de quarta à domingo Teatro Nivaldo Santana – com programação de sexta à domingo

1.2 – Para o Teatro Municipal Glória Giglio de Osasco a Secretaria da Cultura receberá propostas como abaixo detalhado: Quarta Feira – Programa 4ª Sinfonia (propostas de Música – Instrumental e/ou Vocal – Erudita ou Popular) De Quinta à Sábado – Espetáculos de Teatro, Música, Dança e Domingo – Espetáculos de Teatro Infantil

1.3 – Para o Espaço Cultural Grande Otelo e Teatro Nivaldo Santana, a ocupação estabelecida neste Edital destina-se a selecionar e agendar espetáculos artísticos, contemplando apresentações nas modalidades: Teatro, Música, Dança e Audiovisual.

Veja as datas, regras e disponibilidades no link, página 36 – EDITAL

Curta, comente e compartilhe. Conhecimento tem que circular 😉