PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

planejamento-estrategicoSegundo Philip Kotler, grande nome do marketing: “o planejamento estratégico é uma metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela organização, visando maior grau de interação com o ambiente e resultados”.  Toda empresa, entidade ou pessoa deveria ter seu planejamento estratégico definido. A importância de pontuar o que quer e não quer da vida, dos negócios e da sociedade faz com que na hora de decidir fazer um projeto, evento ou produção ela seja realmente relevante para o caminho escolhido. Continuar lendo

ECOOA – CURSOS ONLINE JÁ É REALIDADE

ECOOAECOOA Cursos, tudo online e agora já uma realidade para quem trabalha com cultura, terceiro setor, turismo, marketing, educação, artes e outras áreas afins.

A ideia da Escola Cooperativa das Artes surgiu há muito tempo, em 2010. Antes da ideia se transformar em uma escola online ela era um projeto que idealizei dentro de cooperativa para ocupar um espaço físico que na época estava ocioso. A proposta era juntar a expertise de variados profissionais que iriam ministrar cursos no espaço. Além da ocupação, gerar conhecimento diverso em varias atividades das artes humanas. Minha ideia funcionou por pouco tempo mas como toda ideia ela sofreu suas dificuldades e foi posta de lado por algum tempo. Continuar lendo

PROJETOS E EVENTOS NO MUNDO

projetos-e-eventosSobre Projetos e Eventos é importante entender como esses temas estão conectados com o mundo atual.

O Mundo está passando por uma série de mudanças devido a Globalização. Este é um fenômeno social que ocorre em escala global. Ele consiste em uma integração de caráter político, social, econômico e cultural entre os países.
A globalização “encurta” as distâncias, diminui o tempo, agrega valor e muda os processos de trabalho, relacionamento e demandas. A internet é a grande mola. É o mundo online, ao vivo, em tempo real. Continuar lendo

SUA VISÃO DE MUNDO É MEDÍOCRE?

IMG_8022-001Em primeiro lugar vou definir o que é “Medíocre” para que que não seja apedrejada: “Medíocre, levado ao significado mais próximo da raiz da palavra, significa mediano. Não é tido como um insulto, não designa o que está abaixo da média e, sim, aquilo que está exatamente na média, cujo resultado fica entre o bom e o mau; ou que fica entre o que é grande e o que é pequeno.” (fonte significadosbr.com.br)

Quando temos uma visão medíocre das coisas, do mundo, do nosso mercado de trabalho, temos uma visão mediana. Uma visão mediana é aquela que simplesmente colhe e acata discursos propagados aos quatro cantos sem uma crítica mais profunda ou avaliação dos fatos. Se quisermos resultados efetivos, em qualquer coisa, temos que fugir de olhares e opiniões medíocres. Temos que fugir das “verdades” impostas por certos grupos, pela mídia ou por pessoas com intenções obscuras que nem sempre sabemos. Temos sempre que olhar para todos os lados e de todos os ângulos. Temos que ser também, advogados do diabo.

Vamos falar por exemplo sobre das polêmicas da Lei Rouanet que é da nossa área. Uma das polêmicas foi a da Maria Bethânia. Ela aprovou R$ 1,3 milhão para criar blog “O Mundo Precisa de Poesia”. Vamos analisar os fatos: 1)- Maria Bethania teve a aprovação dos 1,3 milhão – para ser captados. Na época da polêmica não diziam isso, não diziam que era só uma aprovação e não uma captação. 2) – O projeto previa a publicação de 365 vídeos produzidos por Andrucha Waddington que é diretor e produtor de cinema e publicidade brasileiro. É um dos sócios da Conspiração Filmes que fez dezenas de filmes entre eles “Eu, Tu, Eles”.

O blog pretendia além de textos, intervenções etc postar diariamente, durante um ano, vídeos bem filmados, produzidos e editados que falassem sobre poesia. Agora vejam o orçamento: 1.300.000 – 100 mil de captação que é o teto = 1.200.000. Mas precisa de um captador? Sem um bom captador é difícil ir ao mercado e conseguir este montante. Então sim, o trabalho dos bons e honestos captadores é importante. É um trabalho demorado, difícil e que leva tempo até que se consiga convencer, mesmo com o benefício da lei, que haja um patrocínio.

Bem, dos 1.200.000 que ficam podemos dividir em 365 dias e chegaremos ao resultado de menos de R$ 3.300,00 por dia. Este dinheiro diário seria para pagar: coordenação do projeto, prestação de contas, contador, divulgação, manutenção do site, direitos autorais, eventuais funcionários, programação e hospedagem do site, cachês e a produção de um vídeo feito em grande qualidade por um importante cineasta e os vários impostos. Garanto que não é um grande valor porque nessa área infelizmente tudo é muito caro principalmente quando é uma grande produção e com pessoas importantes.

Mas aí, o Zeca Pagodinho que aprovou para seu DVD 4 milhões, Luan Santana 4 milhões, Claudia Leite 6 milhões, Ivete Sangalo 2 milhões etc. Por um ou pouco mais de 2 shows e gravações etc. Muitos que conseguiram captar. Aí ninguém falou nada, ou quase nada. Ou falam muito também quando o Pedro Lourenço conseguiu aprovação, mas não conseguiu captar a tempo, R$ 2,8 milhões para seu projeto de ir a Paris com sua moda .

Mas onde está a mediocridade em achar isso tudo um absurdo? Não, isso é mesmo um absurdo para um país como o Brasil. Um país com tantas dificuldades na cultura poderia dividir melhor esta verba. Então, tem muita coisa errada, a lei Rouanet tem muito o que mudar. Mas, o que tem que mudar? As mudanças propostas e que estão em votação não são boas? Se são boas como podemos articular para melhorar e apressar a votação? Se não são boas o que faremos? Vamos acabar com a lei? Quais os números reais de quem é beneficiado com a lei? Quem faz mal uso da lei? Quanto representam os números destes benefícios no orçamento geral da União? Qual o custo x benefícios ela gera, ou não gera? Etc. Só ao responder pontualmente e com fatos estas e outras tantas perguntas é que começaremos a saber se realmente ela é boa ou ruim e o que teremos que fazer.

A mediocridade está quando repetimos os discursos, como a tal Raquel Scherazade do SBT, onde simplesmente fala mal da lei, da antiga ministra Marta Suplicy, faz um discurso político e acaba com a moral de uma lei que muito além do que polemiza, patrocina inúmeros bons e importantes  projetos. A mediocridade está em fincar o pé em um discurso, certo ou errado, e bombardear quem não concorda com isso. A mediocridade está em não sair da nossa zona de conforto e tentar ver as variadas realidades. A mediocridade está quando queremos simplificar a lógica como na piada do português -ou italiano ou brasileiro –  e do japonês (eu conto essa piada no áudio gravado desse texto – veja no meu soundcloud).

O buraco é mais embaixo, a solução para tantos problemas que temos na vida, na carreira, no trabalho, na política, na vida em sociedade é outro. O problema real é que dá trabalho, tem que ler e pesquisar sobre o assunto, ser resiliente e tem que aceitar opiniões. Nada está certo. A lei Rouanet não está certa, tem muita coisa errada. As leis de incentivo não estão certas. Os políticos não estão certos.  A humanidade não está certa. Mas, há sempre o outro lado. Ao pensar assim, ao pensar de verdade e entender de verdade o problema poderemos chegar a soluções realmente efetivas. Não há almoço gratis. As soluções, muitas vezes simples, são trabalhosas. O mérito não é estar certo e convencer as pessoas, o mérito é ouvir as pessoas, olhar e entender a situação e aí mudar a nossa idéia com a certeza de que estamos evoluindo.

Precisamos sair da mediocridade ´para melhorar nosso trabalho, nossa vida, nosso sonhos. Os medíocres, por preguiça ou desconhecimento, simplesmente acatam, repetem e se contentam com o que diz e manda a maioria. Ter pensamentos e questionamentos variados nos faz sair do médio e nos leva para discursos e soluções mais inteligentes e efetivas. Quando tivermos no pensamento a certeza de que não temos certeza do que estamos afirmando, estaremos no caminho certo.

Gostou? Curta e comente. Também compartilhe pois informação tem que circular. 

05 DICAS PARA TIRAR DA GAVETA SEUS PROJETOS


GAVETANietzsche famosamente declarou: “E se você olhar por muito tempo em um abismo, o abismo olha também para dentro de você.”. Em projetos sempre pense sobre isso.

Pare de olhar o abismo e comece a construir o futuro que você deseja. Quantas vezes você viu algum projeto ou empreendimento despontar e começar a ser sucesso e falou “poxa, eu já tinha pensado nisso!”?

Isso acontece com muita gente, principalmente os que criam em suas mentes idéias de projetos, soluções para diversos problemas ou necessidades, coisas criativas. Mas ficar no universo das idéias não passará sempre de um sonho. É necessário colocar em prática estes sonhos para não correr o risco de “perder” sua idéia. Não importa se você no meio do caminho terá que refazer prazos ou não, se terá os recursos ou não, mas o planejamento, o projeto, te deixará mais próximo do objetivo.

Jung com seus arquétipos e teorias dizia que o inconsciente coletivo é algo comum entre todos. Na época do Iluminismo em várias partes do planeta, mesmo sem se conectar, artistas tinham idéias muito parecidas, próximas, parecendo ser tiradas da mesma fonte. Esse inconsciente é como se fosse um banco de dados do universo e é dele que vêm nossas idéias. Nossas idéias são fruto da assimilação das necessidades, possibilidades, oportunidades e outros, com as ferramentas que possuímos. Também há traços da cultura, dos problemas e do ciclo de desenvolvimento. Enfim, é como se cada um colocasse no liquidificador seu conteúdo e o conteúdo externo, batesse e fizesse uma vitamina, essa é a idéia. Mas assim como você, outras pessoas podem ter quase os mesmos ingredientes, e é aí que projetos parecidos nascem. Portanto, se tem uma idéia, seja o primeiro a fazer o projeto. Não passe o resto da vida dizendo que você já tinha pensado nisso. Faça já.

E como sempre digo, projeto é uma receita de bolo com o passo a passo para executar a idéia. Então, escreva, coloque no papel o passo a passo do que pretende. Assim é mais fácil para apresentar a futuros parceiros, apoiadores ou patrocinadores, o seu projeto.

Mas para escrever um projeto, que é relativamente simples você precisa pensar em todos os itens que compõe um projeto. Desde os recursos humanos até os jurídicos e por aí vai. Há uma técnica, eu ministro cursos sobre isso, presto consultoria sobre isso. Porém, o mais importante é que projeto tem que ser a sua verdade, a verdade dos fatos da execução, real, claro, didático e principalmente um manual de como executar a SUA idéia. Mesmo que o maior especialista te ajude, só você pode fazer da forma que pensou. Então é você que tem que pensar, pensar, esboçar, esboçar e finalmente, ainda que com auxilio técnico de cursos ou pessoas, criar no papel SEU projeto. Esse será o diferencial junto a projetos parecidos.

Se você já está ansioso para transformar sua idéia em projeto comece então a escrever o esboço do que ele é, ou do que eles são. Muitas vezes temos mais de uma idéia. E como dizia Thomas Edson “Se quer ter uma boa idéia, tenha uma porção delas.”

Mas porque escrever antes no papel uma idéia que posso já desenvolver sem ter esse trabalho? Porque quando escrevemos, seja a lista do supermercado ou um projeto, lembramos de outros itens e observamos necessidades além do núcleo central da idéia. O exemplo fica fácil em uma lista de supermercado, por exemplo: a lista é grande então podemos identificar que tantos itens terão que ser trazidos por um carregador, ou terá que levar um carrinho, ou precisará de ajuda, ou para o complemento tal falta o X ingrediente, e principalmente, não comprar tudo o que vemos pela frente. Escrever define principalmente o foco, o escopo, e faz com que você tenha um caminho definido. Lembro de um ditado que gosto e uso muito do Sêneca “Se você não sabe pra onde está indo qualquer caminho serve”.

Segue então as 05 dicas baseadas em tudo o que falamos agora:

  • PRIMEIRA – Faça já. Não fique enrolando para pegar uma caneta e um papel e colocar tudo o que você quer fazer. Pode separar por área como profissional, familiar, pessoal, educacional.
  • SEGUNDA – De cada lista separe só o que você acha que é viável e poderá realizar no próximo ano. O que sobrar deixe numa lista “Para os próximos três anos”.
  • TERCEIRA – Para cada idéia, projeto, intenção, faça uma lista, um esboço de tudo o que vai precisar. Faça as famosas perguntas: O que é, como é, quando é, com quem é, porque é, quanto é, quanto tenho, quanto e quando vou precisar etc. Depois escreva o resultado disso e se for o caso, cadastre ou planeje o cadastramento em leis de incentivo, editais etc.
  • QUARTA – A partir de AGORA ponha o pé na estrada, ou melhor, os projetos em ação. Vá atrás de quem vai te ajudar nisso com dinheiro, com trabalho ou com parcerias. Comece a executar cadastrar, captar, construir, poupar etc.
  • QUINTA – Monitoramento e controle – Isso é fundamental. Seja quais forem seus projetos, você terá sempre que monitorar, ou seja, observar para ver se está no caminho proposto ou não, se tem problemas, se o cálculo está errado, se aconteceram imprevistos na execução. E controle que é a ação de readequar o projeto definido para a nova realidade observada no monitoramento. Essa parte é fundamental, pois um projeto não é algo amarrado e imutável, é eventual e sofre as conseqüências do meio. Porém, se não há um realinhamento o projeto pode ser um fracasso ou virar outra coisa do que o planejado.

Eu estou a disposição pra gente conversar e trocar Ideias.  Gostou? Curta, Comente, envie SEUS COMENTÁRIOS e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

CROWDFUNDING UMA IDÉIA PRA SER USADA

crowdfundingO que a Kickstarter e a Indiegogo tem em comum? Ambas ajudaram a realizar um sonho de milhões de dólares para produtores de cinema. Estes dois portais de financiamento coletivo, o famoso “Crowdfunding”, tiveram em suas plataformas filmes e documentários que ultrapassaram a marca dos 2 milhões de dólares, por projeto, e que já estão em produção.

Nestas, e em outras plataformas por todo o mundo, milhares de projetos da área de cinema, música e outros estão lá para ser patrocinado. E vão conseguir.

crowdfunding 2Zach e Adam Braff do filme Wish I Was Here”, lançado em julho de 2014 nos EUA e estrelado por Zach Braff e Kate Hodson, podem comprovar esse feito. O projeto do filme entrou na Kickstarter em abril de 2013 com uma campanha para arrecadara dois milhões de dólares. Em 24 de maio de 2014, fim da campanha tinha arrecadado 3.105.473 milhões de dólares de 46.520 pessoas de todo o mundo.

Assim também tem sido a história cada vez mais constante e real de milhares de profissionais da cultura em todo o mundo. No cinema, área musical, na literatura, em projetos sociais, esportes, ONGs etc. 6 bilhões de dólares já são movimentados mundialmente onde uma média de quase 30% dos projetos atinge o seu objetivo ou até ultrapassam.

Crowdfunding ou simplesmente FINANCIAMENTO COLETIVO é a prática do financiamento de um projeto ou empreendimento, conseguindo contribuições a partir de um grande número de pessoas, normalmente através da Internet. É uma ferramenta para empreender e realizar projetos.

O modelo do financiamento coletivo funciona numa tríade com três atores: o criador do projeto que tem a idéia; indivíduos ou grupos que apóiam a idéia e uma plataforma (site) que sustenta a idéia e recebe as contribuições.

Cada plataforma trabalha de uma maneira com relação à sua forma de remuneração. Os valores podem variar de 5 a 20% do valor do projeto dependendo da forma de trabalho. Existem sites que são o “tudo ou nada”, ou seja, você recebe tudo se conseguir o montante pedido ou eles devolvem tudo para os doadores caso não consiga. Existem sites mais flexíveis que tem metas para o mesmo projeto, mas te cobram os resultados. E tem os que ainda permitem que sua captação, dentro de um prazo estabelecido, supere o valor inicial.

O financiamento pode ser de qualquer valor, sem nenhum retorno palpável. Pode ser por cotas ou por valores estipulados ou ainda pode ser pelo sistema onde o “patrocinador” compra antecipadamente o produto para receber quando o projeto atingir o valor necessário de produção.

MAS FIQUE ESPERTO, NÃO É MÁGICA NÃO!!! COMO TUDO, VAI DEPENDER SEMPRE DE VOCÊ.

As plataformas são apenas as ferramentas. Elas te ajudam a mostrar para o público o seu projeto, ajuda a formalizar, controlar e facilitar as doações. Além disso, esta plataforma tem milhares de projetos ancorados “concorrendo” com o seu.

Portanto, para conseguir um bom resultado, faça o dever de casa, o principal é que você também participe e participe efetivamente das divulgações e prospecções em suas redes sociais e entre clientes, fãs e amigos. A campanha é principalmente sua e da sua equipe de trabalho.

No Brasil já temos vários sites que oferecem este serviço que tem um grande potencial de crescimento aqui no Brasil, segue alguns que eu lembro agora:

Pague Pra Ver – Idéias Criativas – www.paguepraver.net.br  / Bicharia – http://www.bicharia.com.br / Benfeitoria – http://benfeitoria.com / Catarse – http://catarse.me / Garupa – http://garupa.juntos.com.vc / Ideame – http://idea.me / Juntos – http://www.juntos.com.vc / Kickante – http://www.kickante.com.br / Impulso – http://www.impulso.org.br / Salve Esporte – http://www.salvesport.com / Sibite – http://www.sibite.com.br / Startando – http://www.startando.com.br  / Vakinha – http://www.vakinha.com.br

(se você conhece outros deixe aqui nas mensagens como dica para os leitores)

Mas também, através de mecanismos de sites como o Paypal, PagueSeguro, Moip ou similares que trabalham com recebimento e vendas você pode criar seu financiamento coletivo no seu próprio site.

Então pronto, aproveite as informações e comece agora a pensar também nestas possibilidades para o seu projeto. Mãos a obra.

Gostou? Curta, Comente, envie SEUS COMENTÁRIOS e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

PROJETOS, COMO APROVEITAR UM FALSO NEGATIVO

projetos falso negativosSabia que o Viagra foi um falso negativo? Pois bem, no final dos anos 80 a Pfizer trabalhou nos testes de um medicamento para tratar de angina. Tudo ia bem até que nos testes com humanos a droga não deu resultado. A maioria desiste de projetos assim que nos resultados ocorra fracasso. Mas, ao olhar diferente, ao estudar os efeitos colaterais, um novo medicamento, com um sucesso de público e bilheteria estreou, nasceu “o Viagra”.

Brincadeiras à parte, muitas vezes nos empenhamos e dedicamos a um projeto onde em algum momento, seja na elaboração, na avaliação de riscos, na execução ou na avaliação dos resultados, aparentemente, tudo dá errado. Temos então um resultado negativo.

Entretanto, em muitas vezes, se olharmos mais de perto,  ou de longe, ou os dois, poderemos enxergar oportunidades até então desconhecidas ou intencionadas.

Já em 2003 Henry Chesbrough, professor de gestão de tecnologia e inovação nos EUA, falava:

“A história da inovação está cheia de exemplos em que o melhor uso de um novo produto ou uma nova tecnologia é totalmente diferente do proposito inicial do projeto.”

Um projeto pode não servir ao seu objetivo, mas pode ser como uma luva para outro. Se você criou, pode disponibilizar o resultado no mercado, para parcerias ou licenciamento de ideias. Essas ideias ou resultados podem não te servir, mas podem ser um prato cheio para outro.

Quantos músicos criam músicas que nunca cantarão? Mas a criação bateu na porta e ela nasceu. Então há a possibilidade de disponibilizarem para outros artistas. Quantas ideias de festivais e atividades surgem durante a pesquisa para um simples show? Quantos resultados inesperados acontecem quando lançamos um evento que nem imaginávamos o resultado? Woodstock, o festival, foi um deles. Quantos eventos, sem intenção, são vistos por investidores como grandes ideias e “pivotam” totalmente seu rumo?

Por isso, é importante, antes de achar que seu projeto foi um fracasso ou tem que ser descartado, fazer uma avaliação. Avaliar e pesquisar junto aos “stakeholders” outras visões sobre o mesmo tema. O pensamento coletivo e a visão compartilhada podem dar soluções até então desconhecidas. Muitas vezes também, um projeto que não atendeu ao primeiro objetivo pode ser adequado a outro.

Por mais que haja pesquisa, estudo e práticas de controle na elaboração e gestão de projetos, o imprevisível e a resposta do meio pode atrapalhar o processo. Mas nem sempre o resultado é negativo. Pense nisso.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

 

10 DICAS IMPORTANTES PARA REALIZAR OS PROJETOS

Segue aqui 10 dicas importantes que você precisa saber sobre projetos:

DICAS PROJETOS

  1. SE SEU PROJETO NÃO ESTÁ ESCRITO, NÃO TEM OS ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS DESENHADOS, VOCÊ NÃO TEM UM PROJETO, TEM SÓ UMA IDEIA. – Algumas pessoas têm idéias, fazem um pequeno resumo no papel, apontam as justificativas etc., mas não escrevem nada de prático. Isso não é um projeto, é uma ideia, não confunda. As perguntas que orientam para esta construção detalhada são: O que é, quanto é, para quando é, com quem é, como é e por aí vai.
  1. ESCREVA UM PROJETO PELO PROJETO E NÃO PARA UMA LEI OU EDITAL – Um projeto tem que atender a uma demanda visualizada no planejamento estratégico da pessoa, empresa ou instituição. A ação de desenhar e escrever um projeto, que custará seu tempo, deve ser alinhado com a visão geral do caminho a percorrer. Leis e editais são para viabilizar financeiramente os projetos que você sonha, que você precisa.
  1. PROJETO TEM COMEÇO, MEIO E FIM, ao contrário de uma empresa ou uma carreira que trabalhamos para que não tenha fim. Um projeto sempre tem um objetivo que, ao ser cumprido, finaliza as ações. Portanto, pensar nesse desenho é também pensar em uma boa finalização. Tem gente que faz projeto que nunca termina. Fica enrolado com prestação de contas, com finalização de fotos e vídeos etc. Isso é erro de planejamento.
  1. PROJETO TEM QUE CONTER A VERDADE, NADA MAIS DO QUE A VERDADE– Isso é muito importante para se aprender com relação aos projetos. Alguns acham que é difícil escrever, pois focam em argumentos e condicionamentos que tornam o “escrever um projeto” algo intocável. Para escrever coloque a verdade exata de como você vai fazer, o que vai precisar para construir e executar sua ação.
  1. PROJETO É UMA RECEITA DE BOLO – ao escrever um projeto escreva de forma que quem pegar o documento possa executá-lo. Ele é uma receita tem que ter todos os ingredientes e o “modo de fazer”. Para testar, dê pra alguém que não é da área ler. Se entender, maravilha, está pronto.
  1. PROJETO NÃO É TESE DE TCC – Um projeto não é uma tese para doutorado ou mestrado. Não deve ter linguagem rebuscada e deve ser de fácil compreensão. Deve ser claro, direto e prático. Somente na justificativa que é permitido dissertar sobre a importância, o contexto. Mas mesmo assim não deve ser extenso.  
  1. PLANEJE, PLANEJE, PLANEJE E DEPOIS ESCREVA – A parte mais importante na construção de um projeto é o planejamento. É nessa hora que há pesquisa de mercado, avaliação do contexto, discussão e mapeamento de riscos etc. Enquanto essa visão geral não for avaliada e processada não se deve finalizar o documento. Quanto maior a pesquisa, maior o acerto.
  1. LEIS DE INCENTIVO OU EDITAIS SÃO FÁCEIS DE ESCREVER E CADASTRAR –Nenhuma lei de incentivo ou edital é difícil de participar. Com o projeto pronto e escrito faça o que pede a lei ou edital. O que não pode é ter preguiça de ler, de buscar conhecimento. Mas, se está inseguro ou não tem tempo, sempre tem um bom produtor no mercado que pode escrever e cadastrar o projeto “com” você.
  1. CAPTAÇÃO DE RECURSOS E PRESTAÇÃO DE CONTAS COMEÇA NO PLANEJAMENTO – Essa é uma parte também muito importante de saber. Na fase do planejamento é também a hora de pensar de onde virá o dinheiro e quais as possibilidade. E como esse dinheiro será gasto e como isso será comprovado. Estes dois itens bem planejados evitam muitas dores de cabeça.
  1. PROJETO É UM MEIO, NÃO É O FIM – Outra confusão que se faz e achar que ter projetos é fundamental para a sobrevivência do grupo, da entidade, do artista etc. Fundamental é saber “o que você quer ser quando crescer, além de salsicha” (risos). Fundamental é saber aonde quer chegar e criar um planejamento estratégico. Nesse planejamento poderá conter um ou mais projetos e estes devem ter relação com o que se pretende conquistar. E não o contrário.

E é isso. Espero que tenha sido útil. Gostou? Curta e comente. Mas principalmente, compartilhe “Conhecimento tem que circular”.

EM UMA BOA NEGOCIAÇÃO A REGRA É SABER DIALOGAR

16INTELIGENCIA__PROJETOS_EVENTOS_5A maior necessidade, para qualquer ação com o outro na nossa vida, é o saber dialogar. Antes de negociar qualquer coisa, mesmo nos relacionamentos pessoais, é preciso saber dialogar. Para viabilizar parcerias e ações junto aos stakeholders de um projeto é importante ter esta inteligência.

Dialogar é conversar com outra pessoa dando espaço para também ouvir. É importante não só falar. Ouvir e tentar entender o que realmente a outra pessoa quis dizer é o mais fundamental e isso é chamado de empatia. Um diálogo cria entendimento, relações. E é a partir de um diálogo inicial, simples, que iniciamos as grandes negociações.

As seis técnicas que compõe a estrutura de um diálogo são:  presença, relacionamento, perguntas, ouvir, posicionar e verificar.

Observe bem estas estes itens. Não há uma ordem específica, os itens devem ser usados de acordo com o andar da conversa.

Para você que tem um projeto ou evento e quer conseguir parceiros, apoiadores e principalmente patrocinadores o poder do convencimento faz a grande diferença e ele é conquistado a partir de um bom diálogo. O processo será sempre interativo e nunca linear.

Agora que você já sabe da técnica e já sabe da importância vamos falar dos elementos da estrutura de um diálogo de negociação:

– ABERTURA – é o quebra gelo da conversa. Aqui amenidades, comprimentos, apresentações e identificação visual etc são os itens. Neste momento a técnica da presença que mostra firmeza, confiança e empatia serão os pontos fortes.

– NECESSIDADES DO CLIENTE – você já deve chegar para este diálogo com o “dever de casa” feito, ou seja, a pesquisa essencial de quem é seu interlocutor, como é o trabalho, interesses e tudo o que precisa para usar como argumentos do convencimento. Nesta etapa, as técnicas das perguntas e de escutar serão as utilizadas. Ouvir, perguntar, entender, tirar dúvidas, ouvir, ouvir. É a fase que se cria toda a visão de quem é a outra parte e de como argumentará suas objeções.

– INTRODUÇÃO SOBRE O PRODUTO\ SERVIÇO\ PROJETO – neste momento você irá expor e mostrar a que veio. Primeiro: fala do projeto\produto\serviço. Depois relaciona o mesmo com o público alvo que vocês têem em comum. Fala das possibilidades, gera curiosidade e por último, fala sobre valores e o que realmente quer em troca. Esta é a hora para usar a técnica do posicionamento.

– ADMINISTRAR OBJEÇÕES – este é o momento decisivo em uma negociação que é quando os argumentos da outra parte são colocados em contraposição à sua proposta. Ouça, entenda e pense bem antes de responder e argumentar. O momento é de entender a real objeção e propor ou uma justificativa ou uma outra solução. Guarde para este momento cartas na manga. Ter seu projeto por exemplo em uma lei de incentivo ou oferecer algum benefício fiscal,  pode ser usado neste momento como argumento. Entenda que um bom negociador sempre cartas escondidas para ajudar nas argumentações, principalmente quando a conversa e muito importante. Não entregue tudo de uma vez.

– FECHAR E CHAMAR PARA A AÇÃO – após sanadas todas as dúvidas e dificuldades, e o negócio se efetivar, é importante finalizar chamando para o fechamento efetivo. Faça uma chamada para ação, verbalize o acordo, marque datas, defina o processo. Muitas vezes, algo que não é amarrado tecnicamente ao fim de uma negociação pode causar uma regressão do que foi negociado. Quando as pessoas param para pensar com mais tempo, sozinhas e com opiniões de terceiros podem achar que não foi tão bom negócio, que há riscos etc.

– ACOMPANHAMENTO– acompanhar o processo, mesmo depois de assinado os contratos ou feitos acordos, ajuda a fortalecer relacionamentos. Essa parte é fundamental se a intenção é ter novos negócios para o futuro ou uma boa indicação com esse mesmo cliente\parceiro.

Aprender técnicas de diálogo é fundamental. Negociar, vender e se relacionar bem com as pessoas é uma arte.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

DICIONÁRIO PARA EMPREENDEDORES CRIATIVOS

Dicionario para empreendedoresBem, agora que você sabe que precisa pensar também em administração, gestão, marketing e finanças dentro do seu projeto, sua empresa, sua Ong e até o seu coletivo, vale saber quais são as palavras usadas hoje e o que cada uma delas quer dizer. Na Inteligência usada em Projetos e Eventos, conhecimento nunca será demais. Confira abaixo:

ACELERADORA ou INCUBADORA–  Empresa que funciona como um centro de estudos e consultoria para empreendimentos embrionários. São locais onde há, ou não, capital financeiro mas existe toda orientação e apoio de profissionais, universidades e outros para o desenvolvimento de novas empresas, startups e novos negócios. Aceleradora – é o nome atualmente usado para as incubadoras principalmente na área tecnológica.

BREAK-EVEN OU PONTO DE EQUILIBRIO DE UM PRODUTO OU SERVIÇO – é a quantidade mínima de produtos\serviço a ser vendido para cobrir os gastos mensais de uma empresa. Quanto tenho que vender para não ter prejuízo.

CANVAS MODEL – matriz de modelo de negócios criada por Alex Osterwalder e Yves Pigneur em 2010 para realizar o Business Model Generation (BMG) um método para avaliação ou criação de novos negócios.  Veja aqui a matéria sobre o tema.

CO-WORKING ou COWORKING – modelo de trabalho que baseia no compartilhamento de espaço. Exemplo um espaço que disponibiliza mesas, acesso a WiFi e linhas telefônicas para escritórios, pontos de trabalho, reuniões etc. Você pode pagar por hora, por dia, por mês ou rachar as despesas.  40% do mercado está em São Paulo. Os espaços são divididos por pessoas, geralmente, de uma mesma área de atuação.

CROWDFUNDING – Fundo monetário vindo de uma multidão. É uma forma de obter capital através de campanhas, online ou não, junto a pessoas e empresas interessadas no projeto apresentado. Atualmente existe muitas plataformas online que oferecem facilidades para a campanha. O Kicante é um dos principais.

CROWDSOURCING – trabalho de forma colaborativo onde as pessoas ou empresas ajudam em uma determinada ação para gerar conteúdo, solução de problemas, fluxo de informações etc para um único resultado. Pode haver ou não remuneração financeira. É executar um trabalho com a ajuda de terceiros.

COMPORTAMENTO – Atitude, forma de agir e de se comportar. Importante para realizar efetivamente seus projetos.

CUSTO DE MATERIAL – custo do material usado no produto. (Ingredientes de uma torta por exemplo ou os materiais como folder e cartazes na divulgação de um evento)

CUSTO FIXO – é a soma de todas as despesas mensais de um empreendimento que esteja funcionando mesmo que ela não tenha nenhuma venda. Mesmo que o custo tenha variação.

CUSTO VARIÁVEL – custo de materiais, insumos ou serviços que eventualmente sejam necessários. Por exemplo: a energia elétrica mensal de um espaço pode ser variável, mas está dentro dos custos fixos. Já a compra de uma lâmpada, que eventualmente queimou, está nos custos variáveis.

DESPESA – é tudo que se gasta em um determinando tempo. Mês, dia, semana, projeto.

DESIGN THINKING – é o pensamento do design onde a empatia é o principal ingrediente. São ideias pensadas em conjunto e de forma livre. O foco é realizar ações que tenham um real entendimento das necessidades das pessoas para o qual o projeto está sendo desenvolvido. O principal recurso para o desenvolvimento, que normalmente é feito em equipe, são os post-its.

EARLY STAGE – nome que se dá a empresas que estão em estágio inicial em suas atividades. Normalmente até 3 anos de existência.

ELEVATOR PITCH OU PICHT– supostamente surgido em Los Angeles para apresentar em até 30 segundos um roteiro para algum produtor em Hollywood. É usado no mundo empreendedor para “vender” a ideia do seu negócio abordando os principais pontos. A média aceita hoje para se ter um Pitch é de até 3 minutos.

EMPREENDEDOR – pessoa que deseja realizar, executar, deixar sua marca e fazer a diferença.

EMPREENDEDOR SOCIAL – o empreendedor que atua com negócios com fins lucrativos, mas com proposta social. Ocupam o chamado setor 2.5

EMPATIA – guarde essa palavra e desenvolva esse dom. É a forma de se colocar no lugar da outra pessoa para conseguir entender seus sentimentos, suas respostas, seus argumentos, sua visão de mundo.

ESCALABILIDADE – possibilidade de replicar um produto com facilidade e com a mesma qualidade. Na área da produção artesanal tem se falado muito sobre este tema: como entregar um produto artesanal com a mesma qualidade em cada produção.

FERRAMENTAS DE MARKETING – meios que a empresa usa para aproximar seus consumidores dos produtos ou serviços que ela oferece. A propaganda é uma ferramenta de marketing.

INVESTIMENTO – é todo dinheiro investido em um negócio, empreendimento, projeto (equipamentos, melhorias, serviços etc)

INVESTIDOR ANJO – são profissionais que atuam nos novos mercados tecnológicos. Eles destinam, normalmente, pequenas somas a novos projetos tecnológicos no risco de conseguir, ou não, fazer parte de uma grande inovação e com altos rendimentos.

LEAN STARTUP – Empresas, na área de tecnologia principalmente, que lançam protótipos de teste para determinados grupo de clientes e assim avaliar suas possibilidades. Chamam o protótipo de Produto mínimo viável (MVP).

MARKETING- Market em inglês é mercado. Marketing é o mercado em movimento. A forma de programar ações para agir perante o público, chamando atenção e movimentando as vendas.

MEI –  Micro Empreendedor Individual – um formato de empresa individual que pode ser aberta inclusiva online pelo empreendedor. O custo mensal é de apenas o valor do INSS individual. Porém, o faturamento mensal está restrito a pouco mais de 5 mil por mês na emissão de notas fiscais.

NETWORKING OU REDE DE CONTATOS E RELACIONAMENTOS- estabelecimento de contatos e relacionamentos. Muito mais do que uma “mala direta” estes contatos devem ser acionados com frequência definida, para ampliar as possibilidades de negócios.

PREÇO DE VENDA – quanto custa seu produto ou serviço no mercado.

PRÓ-LABORE – remuneração mensal que os donos retiram da empresa pelo serviço prestado à própria empresa.

PME – pequenas e médias empresas.

PIVOTAR –  dar novo rumo, nem sempre fugindo do objetivo final, em um negócio.

PERSONA – cliente típico\ publico alvo de um blog, negócio digital, site etc.

REMUNERAR – pagar salários, cachês, honorários.

PERSUASÃO – capacidade de convencimento do outro.

ROI – retorno sobre o investimento.  Porcentagem de ganho em relação ao dinheiro investido.

STAKEHOLDERS – todas as pessoas, de vários seguimentos, envolvidas com o seu negócio. Fornecedores, funcionários, clientes, prestadores de serviço, imprensa e outros. Todos os que serão de alguma forma impactados pelo projeto.

SPEED CAPITAL – “capital semente”, aquele usado para dar início a um negócio.

STORYTELLING – contar a sua história de superação, de empreendedorismo. E uma forma de comunicar com o público através de histórias pessoais, histórias relacionadas aos produto ou serviço, superação e cases de sucesso etc.

VALIDAÇÃO – validar uma ideia, uma empresa, um projeto, é colocar à prova do mercado e avaliar seus resultados de fato. A validação é feita geralmente em um grupo restrito ou escolhido para controlar os resultados de forma mais efetiva.

Gostou? Curta, comente, envie seus comentários e dicas. Mas principalmente compartilhe, CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR. 😉

(Fontes de pesquisa: Livro Aprender e Empreender – SEBRAE \Fundação Roberto Marinho – HSM Management- Sites pela internet – Wikpédia)